Jornal Gazeta Parintins

Menu

Debate

postado em 05/10/2018
Debate
Foto: Luan Valente

Debate I

Nesta quarta-feira (26), durante o Debate Eleitoral com os candidatos à deputado estadual por Parintins, diversas propostas foram apresentadas e discutidas pelos referidos aspirantes à Assembleia do Estado. Seus discursos inflamados levaram o público presente a aplaudir e gritar seus nomes após suas falas. No entanto, para um determinado candidato, ao dizer que “mulher é o sexo frágil” durante sua resposta a uma pergunta feita pelos mediadores, este fora extremamente vaiado. Após tantos anos de vida pública, o que leva um candidato a pensar que a mulher é o sexo frágil? Fato presenciado nos deixa triste, pois quando retomada a fala, apresentou em seu discurso outra fala machista (“Nós homens”), reflexo da sociedade em que vivemos.

 

Debate II

Um candidato ao decidir pleitear uma vaga à um cargo público deveria ser bem instruído por sua assessoria. Dito isto: machismo, preconceito e ignorância partindo de tal não seria (nem será) tolerado pela população amazonense, uma vez que no Brasil o número de mulheres é superior ao de homens. Entre outras andanças, concluímos que as mulheres nunca serão o sexo frágil, como dito pelo candidato em seu discurso.

 

Debate III

Vivemos em um país onde os primeiros habitantes, carinhosamente chamados de índios, foram expulsos de suas terras, assassinados e utilizados como mão-de-obra. Ainda hoje temos o reflexo desses atos na sociedade. Em Parintins não seria diferente. Mesmo sendo conhecida como terra do boi bumbá, da exaltação folclórica, do índio, do negro, do caboclo e de outros povos, ainda percebemos discursos altamente preconceituosos como de um dos candidatos que disse “Temos de tratar os índios como gente. Eles são pessoas como nós”. Afinal, seria o indígena ainda um animal?

 

Debate IV

É fato: certos candidatos só aparecem no município em tempos de eleição. Dizendo serem santos, ter feito isso e aquilo, e fazendo promessas a população, que piamente acreditam na melhora de suas condições de vida. Não poderia haver exemplo melhor do que a presença de um certo candidato que já fora Deputado Estadual e hoje quer retornar a sua mordomia na Assembleia do Estado. Durante seu mandato não fez muita coisa pelo povo e quando chamado de “Deputado Improdutivo” por outro candidato, sentiu-se extremamente ofendido. Triste senhor candidato, pois até mesmo seus assessores concordaram com a fala do sujeito.

 

Debate V

Além da improdutividade do candidato, seu adversário ressaltou que seu mentor não lhe instruiu bem, fazendo jus a fala de nosso saudoso ex-prefeito você-sabe-quem (entenda o sarcasmo) que disse: “Se o amado prefeito de 72% de aprovação, não consegue passar para o seu candidato ao governo todo esse amor que o povo tem por ele, o que os candidatos a deputado federal que ele diz apoiar podem esperar dessa canoa furada?”. Não sei vocês, porém acredito que o referido candidato precisa aprender a versar assim como seu oponente declamou belos versos em suas considerações finais.

Radio Online

Video

Cobertura de Eventos

Publicidade